domingo, 28 de março de 2010

As voltas que a vida dá



A vida era pacata, nada acontecia na aldeia.
Meu tio era serrador, o seu instrumento de trabalho: A serra braçal, e por vezes passava semanas fora de casa, quando o trabalho assim o exigia, lá seguia pelas florestas do país, para trazer uns parcos escudos, que mal dava para a família se alimentar, e a família tinha acabado de aumentar a minha terceira prima ainda só tinha um ano e já vinha outro a caminho.
Então teriam mesmo de fazer o que já haviam planeado, com a ajuda do governo da época o tio Afonso tratou da papelada, e a tia Ernestina ia fazendo umas roupitas para as meninas, que a viagem para Moçambique não tardava, iam como tantos outros procurar melhorar a vida assim como a de seus filhos.
Estávamos em meados dos anos cinquenta. Odete, a minha terceira prima, contar-me-ia mais tarde, quando começamos a trocar correspondência, que um dos locais por onde tinham passado tinha o nome do nosso avô Lourenço Marques, mas o local para onde os levaram verifiquei mais tarde que se situava no distrito de Cabo Delgado e a cidade chamava-se Pemba, local rico em madeira, e paradisíaco pelas suas praias.
O tempo passou, a Odete cresceu, e o militar apareceu, o romance nasceu, e os enamorados casaram, a primeira filha nasceu, a bomba rebentou, e o Eduardo perdeu, uma perna pelo ar, uns quantos dedos das mãos, e estilhaços a picarem!...

11 comentários:

  1. Estimada Margarida, todavía no tengo traductor, y si bien entendí, tu narración, pierdo mucho de su belleza expresiva.
    Es una historia triste.
    Dejo un cariño para ti querida Margarida.

    ResponderEliminar
  2. Bem escrito. Com ritmo e concisão. Parabéns.O drama familiar, muito comum nos tempos de guerra, é sempre de lamentar.

    ResponderEliminar
  3. vueltas y vueltas sigu la vida dando y en tanto vuelta y con tanto mareo nos seguimos encontrando. Muy bonitas las palabras que dejaste para que las tengamos todos. siguie asi compañera que m encantan.

    www.falsario.org
    www.falsario.es

    ResponderEliminar
  4. Obrigada Falsário,
    Obrigada Abuela frescotona,
    Obrigada FMF,
    Pela vossa visita ao meu humilde espaço, faço-o com muito amor e carinho para que todos possam usufruir de meus pensamentos.
    Bem hajam.
    Beijinhos
    Margarida

    ResponderEliminar
  5. Uma história tocante, drama de um tempo desgraçado. Os tios, as prima,regressaram às origens, após a descolonização ou por lá ficaram?.

    ResponderEliminar
  6. Regressaram e o drama ainda foi pior...
    Obrigada pela visita.
    Guida

    ResponderEliminar
  7. gracias por compartir!

    Siempre un placer pasar a leerte!

    Recibe un relajante y cálido abrazo par tu ser.

    Beatriz

    ResponderEliminar
  8. Hola gracias por tu visita tienes cosas muy lindas intentare poner traducto para leer con calma ...encantada de concerte un abrazo Begoña

    ResponderEliminar